Como é feita uma aplicação básica das tolerâncias e ajustes na mecânica?

Como é feita uma aplicação básica das tolerâncias e ajustes na mecânica?

Todo processo de fabricação está sujeito a variações: variação do material, variação da máquina, temperatura, procedimentos inadequados, entre outros fatores. Em função destes fatores, não é possível produzir peças iguais (exatas), ou seja, ocorrem desvios. Para que estes desvios ocorram dentro de uma faixa conhecida, foram estabelecidas as tolerâncias.

As definições citadas abaixo estão de acordo com a norma NBR- 6158: 1995.

  • Eixo: Termo convencional utilizado para descrever uma característica externa de uma peça, incluindo também elementos não cilíndricos.
  • Eixo-base: Eixo cujo afastamento superior é zero.
  • Furo: Termo convencional utilizado para descrever uma característica interna de uma peça, incluindo também elementos não cilíndricos.
  • Furo-base: Furo cujo afastamento inferior é zero.

imagem-1

  • Dimensão nominal: Dimensão a partir da qual são derivadas as dimensões limites pela aplicação dos afastamentos superior e inferior.
  • Dimensão efetiva: Dimensão de um elemento obtido pela medição.
  • Dimensão máxima: A maior dimensão admissível de um elemento.
  • Dimensão mínima: A menor dimensão admissível de um elemento.
  • Afastamento superior: (ES, es) – Diferença algébrica entre a dimensão máxima e a correspondente dimensão nominal. As letras “ES” são designadas para afastamentos em furos e as letras “es” para afastamentos em eixos.
  • Afastamento inferior: (EI,ei) – Diferença algébrica entre a dimensão mínima e a correspondente dimensão nominal. As letras “EI” são designadas para afastamentos em furos e as letras “ei” para afastamentos em eixos.
  • Tolerância: Diferença entre a dimensão máxima e a dimensão mínima, ou seja, diferença entre o afastamento superior e o afastamento inferior.
  • Campo de tolerância: É uma representação gráfica de tolerâncias, onde campo compreendido entre duas linhas, entre as dimensões máxima e mínima, é definido pela magnitude da tolerância e sua posição relativa em relação à linha zero.

Representação convencional de um campo de tolerância

imagem-2

  • Folga: Diferença positiva entre as dimensões do furo e do eixo, antes da montagem, quando o diâmetro do eixo é menor que o diâmetro do furo.

imagem-3

  • Folga mínima: Diferença positiva entre a dimensão mínima do furo e a dimensão máxima do eixo (Fmin= Dmin-dmax).
  • Folga máxima: Diferença positiva entre a dimensão máxima do furo e a diferença mínima do eixo (Fmáx=Dmax-dmin).

Observação: Letra maiúscula se refere à característica do furo e letra minúscula se refere à característica do eixo.

  • Interferência: Diferença negativa entre as dimensões do furo e do eixo, antes da montagem, quando o diâmetro do eixo é maior que o diâmetro do furo.

imagem-4

  • Interferência mínima: Diferença negativa entre a dimensão máxima do furo e a dimensão mínima do eixo (Imin= Dmax-dmin).
  • Interferência máxima: Diferença negativa entre a dimensão mínima do furo e a dimensão máxima do eixo (Imax= Dmin-dmax).
  • Ajuste: É a relação resultante da diferença, antes da montagem, entre as dimensões dos dois elementos a serem montados.

Nota: Os dois elementos em um ajuste têm em comum a dimensão nominal.

  • Ajuste com folga: Ajuste no qual sempre ocorre uma folga entre o furo e o eixo quando montados, isto é, a dimensão mínima do furo é sempre maior ou, em caso extremo, igual à dimensão máxima do eixo.

Ressaltamos que quando temos dimensão mínima do furo = dimensão máxima do eixo, corresponde à situação extrema de folga.

Ajuste com folga

imagem-5

  • Ajuste com interferência: Ajuste no qual ocorre uma interferência entre o furo e o eixo quando montados, isto é, a dimensão máxima do furo é sempre menor ou, em caso extremo, igual à dimensão mínima do eixo.

Ressaltamos que quando temos dimensão máxima do furo = dimensão mínima do eixo, corresponde à situação extrema de interferência.

Ajuste com interferência

imagem-6

  • Ajuste incerto: Ajuste no qual pode ocorrer uma folga ou uma interferência entre o furo e o eixo quando montados, dependendo das dimensões efetivas do furo e do eixo, isto é, os campos de tolerância do furo e do eixo se sobrepõem parcialmente ou totalmente.

imagem-7

Bom trabalho!

Publicado por

Rafael Mascarenhas

Projetista de ferramentas e Programador de máquinas CNC há mais de cinco anos. Ambas as funções realizadas com auxílio de softwares de CAD e CAM, tais como SolidWorks, NX, AutoCAD, SolidCAM, EdgeCAM, entre outros. Cursando ensino superior em Engenharia Mecânica.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

X